A vez e a voz dos assistentes pessoais

28/05/18

Gigantes da tecnologia como Amazon, Google e Apple já voltam seus esforços para o desenvolvimento de produtos que não necessitem da interação direta da mão humana. Neste caminho, os assistentes digitais ganham espaço e relevância no cotidiano das pessoas e abrem espaço para novas tecnologias e serviços.

No SXSW deste ano, durante o painel “Developing for the Age of Digital Assistants“, o Gerente de Produtos de Assistentes Digitais do Google, Brad Adams, apresentou em alto nível diversas características e componentes que compõem o Google Home (Assistente Digital do Google), desde microfones e softwares capazes de identificar palavras-chave de ativação como “hey, Google”, “hey, Siri” e “Alexa“, até como a inteligência embutida em cada um dos aparelhos para que não seja necessário trafegar dados pela rede para identificar uma ativação.

Ainda no tema,  Christopher Ferrel, diretor no The Richards Group, em sua palestra intitulada “I’ve Got No Screens: Internet’s Screenless Future”, trouxe alguns números sobre navegação na web: em 2020 cerca de 30% das navegações na web serão feitas “sem tela” (screenless), sendo que somente nos EUA mais de 10 milhões de residências vão possuir um aparelho screenless com um total estimado de 60 milhões de usuários, utilizando dash buttons, headphones, controles com sensor de movimento, assistentes digitais entre outros.

Para Ferrel, a mudança de paradigma deverá acontecer em diversas frentes, entre elas:

– De Mobile First para Voice First (Mobile First -> Voice First)
– De Tela para Auto-falantes  (Screen -> Speakers)
– De Navegação Visual para Navegação por áudio (Visual Web -> Audio Web)
– De Cabeça Baixa para Queixo para Cima (Face-down -> Chin-up)

A Amazon, por exemplo, lançou recentemente o Echo Look, o gadget, que funciona com IA, promete avaliar como as pessoas se vestem e oferecer sugestões para melhorar o visual. O Echo Look é equipado com uma câmera de alta definição que pode avaliar vários ângulos das pessoas. Obviamente, oferece produtos para incrementar o visual direto do site da Amazon.

Aqui no Brasil, a Skol, aproveitou a onda e lançou recentemente o assistente pessoal, chamado de Smart Beats, o dispositivo responde a comandos de voz, e permite sincronizar informações do celular e redes sociais.

O lançamento tem o objetivo de estimular o consumidor a sair da rotina, pois o aparelho sugere novas possibilidades para a programação noturna – seja uma nova balada, receita de drink ou dica de look.

A Smart Beats ainda é capaz de realizar diversos outros comandos, como enviar mensagens para grupos de amigos, tocar uma playlist randômica de músicas pré-selecionadas pela própria equipe da Skol ou até mesmo responder perguntas engraçadinhas como faz a Siri no iPhone, do tipo: “Smart Beats, você tem namorado?”; ou ainda “Smart Beats, vou me dar bem hoje?”.

O dispositivo, a princípio, não será comercializado, e os interessados em ter o produto deverão se inscrever no site da Smart Beats até 24 de maio, quando haverá um sorteio.

Apesar de não possuir uma tecnologia tão avançada como os assistentes das grandes potências de tecnologia, a Smart Beats quebra a barreira entre marcas e tecnologia, entregando ao seu consumidor, mesmo que para poucos sortudos, uma experiência completamente diferenciada e exclusiva, elevando a qualidade de seu conteúdo.

A Smart Beats não tem a capacidade de aprender a partir de dados dos usuários e também não pretende competir com os gadgets de tecnologia. Segundo a marca, o objetivo é que, por meio de uma grande base de dados, consiga surpreender os usuários com uma campanha da cerveja que tira as pessoas da mesmice.

E você, concorda que o futuro da tecnologia será screenless?

Fontes: Meio&Mensagem e SXSW